Fusos horários

Nesta semana, durante as aulas de Geografia, os alunos do 7º Ano I acompanharam o professor Baltasar à biblioteca para uma aula sobre fusos horários. A compreensão dos fusos horários é de extrema importância, principalmente para as pessoas que realizam viagens e têm contato com pessoas e relações comerciais com locais de fusos distintos dos seus, proporcionado, portanto, o conhecimento de horários em diferentes partes do globo (FRANCISCO, 2020).

Aula de Geografia

Os climas do planeta são determinados de acordo com a localização geográfica do lugar e a intensidade de luz solar que o mesmo recebe em certos períodos do ano.
Assim, foi a última aula de Geografia do 4º Ano I, pesquisando e aprimorando conhecimentos.

 

8º Ano II visita Estação Agroclimatológica da UNESP

Os alunos do 8º Ano II do nosso colégio, orientados pelo professor Baltasar, participaram de uma aula de campo sobre tempo atmosférico e clima na Estação Agroclimatológica da UNESP – Campus Jaboticabal.

A aula faz parte do projeto da Estação Climatológica Didática do Colégio Santo André, e tem como objetivo ampliar o conhecimento na leitura dos dados fornecidos pelos instrumentos meteorológicos.

Projeto Estação Meteorológica Didática

Um novo projeto será iniciado na Estação Meteorológica Didática do Colégio Santo André, localizada no Bosque Santo André. Os alunos durante o mês de abril, na disciplina de Geografia, coletarão dados e preencherão duas tabelas referentes ao tempo atmosférico. A primeira informará as seguintes percepções de tempo: sensação térmica, direção dos ventos e fenômenos meteorológicos como neblina, nevoeiro, halo lunar ou solar, nebulosidade e visibilidade horizontal. E a segunda conterá anotações referentes aos dados dos aparelhos disponíveis: barômetro digital, anemômetro, termômetro de máxima e mínima, bússola, higrômetro, biruta, pH (precipitação atmosférica) e tipos de nuvens.

Após as experiências com a coleta de dados na Estação Meteorológica Didática do Colégio Santo André, propõe-se ao grupo a solução para o seguinte problema: houve em Jaboticabal – SP alguma alteração no clima? Os alunos deverão construir os seguintes objetivos com o intuito de resolver essa questão: compreender os conceitos de tempo e clima; analisar dados atmosféricos disponíveis sobre o município; produzir relatos das pessoas; visitar uma estação meteorológica automática. Dessa forma, valoriza-se a ideia de aprender a fazer experiências, pesquisas com enfoque na descoberta, entre outras atividades que elevam o aluno como protagonista do seu próprio conhecimento.

A educação por projeto tem como objetivo principal ampliar as competências dos alunos na solução dos problemas propostos em sala de aula. Os trabalhos em grupos, além da importância técnica e estratégica nas atividades em sala de aula, são condições básicas para o desenvolvimento intelectual e da consciência dos alunos. Prioriza-se uma aprendizagem que tenha significado para o aluno com conteúdos escolares conectados a sua realidade. Também, em grupos os alunos sentem-se solidários aos colegas e participam de forma harmoniosa respeitando as regras de convivência, que asseguram um clima de entendimento dentro da sala de aula e projetos transdisciplinares.

O projeto também estabelece relações com outras disciplinas. Os dados coletados serão trabalhados com o auxilio do professor de Matemática gerando tabelas e gráficos. Por meio de software que dispõem de planilhas eletrônicas, as informações serão organizadas para posterior leitura e interpretação. Em parceria com a professora de Língua Portuguesa, um relatório será produzido pelos alunos a respeito de suas experiências no projeto, como por exemplo, sensações e variações do tempo e mudanças na pressão atmosférica local.

A avaliação se fará presente em todas as fases do projeto. Valorizando-se os saberes escolares e o conhecimento de mundo dos alunos.  A educação por projeto avalia as compreensões de novas formas de aprendizagem, elaboradas pelos estudantes, pois, são eles quem devem definir quais caminhos são viáveis para a aprendizagem significativa.

Professor Baltasar F. Garcia Filho

REFERÊNCIAS:

CEFET/RJ Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca. Ministério da Educação. Disponível em: meteoro.cefet-rj.br/almir/observacional/observacional_visibilidade_1_12.pdf.

MADALENA, I. R.; MADALENA, A. B. L. R.; SOUSA, R. R. ESTAÇÃO METEOROLÓGICA DIDÁTICA UMA FERRAMENTA PARA O ENSINO DE CLIMATOLOGIA GEOGRÁFICA. In: Congresso de Educação-Câmpus de Iporá. 2015. p. 446-456.

MAIA, D. C; SILVA, S. L. F.; CHRISTOFOLETTI, A. L. H. “COMO ESTÁ O TEMPO HOJE?”. UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO DE CLIMATOLOGIA ESCOLAR NO ENSINO MÉDIO. Revista Geonorte, Manaus, v. 1, p. 1-8, 2012.