Atividade investigativa

O 2º Ano III foi ao Laboratório de Biologia para fazer uma atividade de investigação e verificar as necessidades de uma planta. As crianças plantaram feijões para observar o seu crescimento e identificar a importância da luz, da água e do solo nesse processo.

Ao estimular a curiosidade, orientando os alunos a levantar hipóteses e colocá-las à prova, através de experimentos práticos e elaborar conclusão, desenvolvemos um pensamento científico, critico e criativo.

Lentes da Natureza

As crianças são curiosas por natureza e grandes pesquisadoras do mundo. São como pequenos cientistas com enorme interesse por tudo que os cerca. Por isso, em comemoração ao Dia do Meio Ambiente, os alunos do primeiro ano confeccionaram suas próprias lupas para melhor observarem o mundo que os cerca. A atividade foi realizada nos jardins do colégio, onde os alunos puderam escolher diferentes paisagens para fotografar.

Atividade Maternal

Os alunos do Maternal, sob a orientação das professoras Gabriela e Raíssa, confeccionaram um palhaço para a Festa Junina desse ano. O objetivo desta atividade foi trabalhar o desenvolvimento da coordenação motora fina, as habilidades manuais, a criatividade, a socialização, as regras de convívio social e o trabalho em equipe.

Confira!

Bonecos de alpiste

Na última semana, os alunos do Minimaternal I, realizaram a atividade sobre o Dia Mundial do Meio Ambiente (05/06), onde fizeram o plantio das sementes, confeccionando assim os bonecos de alpiste.

O objetivo desta atividade foi observar e acompanhar a germinação e o desenvolvimento do plantio a cada dia!

As crianças estão amando ver desenvolvimento da plantinha! Confira as fotos:

Planeta Terra e seus relevos

Os alunos dos 3ºs Anos realizaram uma atividade prática construindo um modelo de planeta, com o objetivo de exercitarem uma maneira de representar o formato da Terra. E para reforçarem os estudos sobre a paisagem natural e transformada desenvolveram um trabalho com argila, explicando as diferentes formas de relevo.

Confira!

Ópera Feliz

Uma mescla de diferentes tipos de arte, pois é um jeito de contar uma história através do canto, da representação e, muitas vezes, da dança. Assim como os atores no teatro, os cantores de ópera representam papéis no palco, enquanto uma orquestra toca a música. A ópera muitas vezes apresenta também um balé ou outro tipo de dança.

Confira o trabalho dos alunos do 8º Ano.

Arte Rupestre

A arte rupestre é uma das primeiras manifestações artísticas da humanidade: um amplo conjunto de desenhos, pinturas e inscrições feitas pelo homem pré-histórico.

Confira imagens do trabalho realizado pelos alunos da 1ª Série do Ensino Médio, durante as aulas de Artes, com o professor Kauan.

Comunicação Não Violenta

Durante as aulas de Redação com a professora Rosane, os alunos do 9º Ano trabalharam a a importância de transitar entre as diferentes estruturas e funções dos textos como leitores e como escritores. A linguagem, comportamento humano, que precisa ser valorizada a fim de que ajude os educandos a desenvolverem a própria capacidade de sentir e refletir.

Essa linha de pensamento tem apoio em pesquisas e experiências de seu idealizador, o psicólogo Marshall Rosenberg, que vivenciou os benefícios de investir em uma comunicação mais empática.

Posto em prática na década de 1960, o trabalho do pesquisador ganhou relevância ao tornar escolas americanas ajudando a combater  o preconceito.

Clara Rocha da Silva Galinari:
A CNV propõe que melhoremos nosso modo de nos comunicarmos usando mais empatia. Meu ponto de vista é que se usarmos essa abordagem de comunicação, conseguiremos interação mais respeitosa, livre, muitas vezes, de mal-entendidos. 

Nina Cestari:
A CNV é uma abordagem para se relacionar de uma maneira mais sincera, autêntica e amorosa. Excluímos o modo de ataque ou defesa que aprendemos a utilizar ao longo da vida e permitimos que nossas vulnerabilidades sejam mostradas. Como praticar:

1: Observe o que está acontecendo de fato, sem julgamentos e sem juízo de valores.
2: Identifique o que está sentindo em relação ao que observa.
3: Informe suas necessidades, valores e desejos.
4: Peça o que deseja de forma concreta, para que atenda suas necessidades. Não espere que o outro adivinhe suas necessidades e seus desejos.

Giovana Severino Ribeiro:
Pode parecer à primeira vista, que a CNV leve a nos calarmos diante de ofensas e agressões. Mas é justamente o contrário: ela é totalmente fundada na honestidade e transparência e não se limita aos fatos analisados somente sob a nossa ótica.

Lorena Soldi:
A CNV é uma forma mais respeitosa, obediente e saudável de conversar com alguém. Ela nos ensina a ouvirmos o outro, a responder de um jeito educado, a criar relações de parceria e cooperação, que deixam a conversa bem mais leve e até mesmo sem discussões.

Guilherme Branco Arnandes:
A minha opinião sobre isso é que se cada um fizer sua parte, o mundo se tornará muito melhor. Melhor até mesmo do que tentar mudar a todos de uma vez é tentar mudar a si mesmo. Depois que todos entenderem que a mudança começa em você, o mundo se tornará um lugar melhor e menos violento.

Olívia Uneda Trevisoli:
Ao contrário do que muitos pensam, ser violento não significa apenas agredir o próximo com gestos, mas também “passivamente”, ou seja, com palavras.

Maria Luíza de Souza:
A CNV é uma forma de diálogo em que uma pessoa fala e também ouve o outro com respeito e empatia com o objetivo de deixar de lado o nosso “modo de defesa.”

Anna Helena Marchi Dibelli:
Se falarmos com violência, a pessoa pode ficar ofendida, triste e pensar naquilo por vários dias. A pessoa pode ficar “guardando” e ficar até doente.

Mariana Marchiori dos Santos:
Muitas vezes falamos as coisas e nos esquecemos dos sentimentos alheios. Por isso a CNV é muito importante para o nosso desenvolvimento.

Alberto Vinícius dos Santos Ribas:
Mesmo em situações tensas, há a necessidade de se respirar fundo. A violência nunca é a resposta.

Júlia Fabiana Ruas:
Aprendi que a CNV é uma forma amorosa, gentil e sincera de se comunicar. É saber ouvir e tentar entender o outro lado. É construir pontes no lugar de muros.

Nicole Oliveira Pompeo:
Nem sempre estamos em um bom momento, para usar a CNV, mas se você quiser mudar, trabalhar isso em sua pessoa, e tem condições mentais para adaptar suas palavras para fazer o dia de outra pessoa melhor, faça! Apenas mudanças de vocabulário e formas de falar podem motivar outras pessoas e você mesmo.

Kauan Aparecido José Lourenço:
Hoje neste mundo, muitas vezes refletimos o comportamento que vemos na televisão e na internet. Mas não precisa ser assim.

Jardim I e II visitam Laboratório de Ciências

Nossa semana começou com muita ciência na Educação Infantil! Os alunos do Jardim I e II participaram de uma incrível aula preparada especialmente pelo Prof. Felipe, docente responsável pela disciplina de Ciências no Ensino Fundamental II.

Além de conheceram as instalações do Laboratório de Ciências do CSA, nossos pequenos cientistas visualizaram células vegetais e artrópodes, através de microscópios. Em seguida, vivenciaram uma experiência envolvendo misturas heterogêneas bifásicas, envolvendo água colorida e óleo. “Essa iniciação científica busca desenvolver o espírito investigativo da criança, sempre valorizando seus conhecimentos prévios”, afirma Lucilene Ribeiro, auxiliar de coordenação da Ed. Infantil. A coordenadora pedagógica Symone Augusto complementa que “o CSA fomenta momentos de aprendizagens significativas em nossos laboratórios buscando criar diferentes espaços que proporcionem experiências de participação dos nossos alunos, tendo a experimentação como estratégia de desenvolvimento e apropriação de novos conceitos.”

Confira!

O monstro das cores

Queridas famílias, quando as crianças entendem as emoções e as comunicam de maneira assertiva e eficiente, elas podem e conseguem, ao reconhecê-las, escolher melhores estratégias para resolver problemas e lidar com eventos negativos ou positivos. Com isso, passam a desenvolver gradualmente, a perspectiva do outro.

Como apoio, usamos o livro “O MONSTRO DAS CORES” de Anna llenas. confira as atividades desenvolvidas em sala de aula.